Notícias

01/07/2016 11:38

Filarmônicas e shows homenageiam o 2 de Julho

  A Festa da Independência contará com atrações no Pelourinho e no metrô, além de cortejo de grupos populares
Terpsícore Popular (Maragogipe) participa de programação do 2 de Julho. Foto: Divulgação


Bandas filarmônicas, shows musicais e manifestações da cultura popular fazem parte das ações apoiadas pela Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA) na Festa da Independência da Bahia. Apresentações no Pelourinho, em estação do metrô e no tradicional trajeto do cortejo em comemoração ao 2 de Julho darão mais cor e alegria aos festejos em homenagem à data magna.

Entre as atrações principais, está o cortejo com sete bandas filarmônicas e três grupos da cultura popular – originários de diversas cidades baianas – que participa do desfile cívico do 2 de Julho. As filarmônicas Santamarense (Vera Cruz), Terpsícore Popular (Maragogipe), 5 de Março (Muritiba), União Sanfelixta (São Félix), Filhos de Apolo (Santo Amaro), Amantes da Lyra (Santo Antônio de Jesus) e Ramos da Oliveira (Santo Amaro) se juntam aos grupos populares Rancho do Papagaio (Saubara), Samba de Roda Vovô Pedro (Saubara) e Chegança de Mouros (Saubara) para levar arte ao trajeto do 2 de Julho.

O cortejo conta com o apoio da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia (SecultBA). Organizado pela Coordenação de Música da Diretoria das Artes (Dirart) da Fundação, começa às 8 horas, tendo como ponto partida o Colégio Iceia, no Barbalho. Após saírem de lá, as agremiações se espalharão, a partir das 9h da manhã, por pontos importantes da festa, como a Soledade, a Cruz do Pascoal e o Largo do Carmo.

À tarde, após concentração na Praça Municipal, às 13h30, as filarmônicas e os grupos populares se distribuem, às 14 horas, entre locais históricos como a Praça Castro Alves, o São Bento, a Piedade, as Mercês e o Rosário.

Vale ressaltar que o trajeto por onde passará o cortejo na tradicional homenagem à Independência da Bahia, no próximo sábado (2), está mais estruturado. Este ano, o Desfile do 2 de Julho será realizado em pistas pavimentadas e calçadas recuperadas e equipadas com itens de acessibilidade, graças ao Projeto Pelas Ruas do Centro Antigo de Salvador, do Governo do Estado.

Metrô – Também na esteira das comemorações pela Independência, uma parceria entre a SecultBA e a CCR MetrôBahia leva à Estação Pirajá do Metrô uma apresentação do conjunto formado por alunos e professores do Centro de Formação em Artes (CFA) da Funceb no dia 1º de Julho, sexta-feira, às 16h30.

Participante do projeto Rota da Independência 2016, que percorreu sete municípios do interior baiano onde ocorreram ações que culminaram no 2 de Julho de 1823, o conjunto musical vai apresentar o mesmo repertório que executou na cidade de Caetité, no dia 29, pelo referido projeto. No programa, o Hino ao 2 de Julho (José dos Santos Barreto e Ladislau dos Santos Titara), além de composições de mestres da música brasileira, como Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Moacir Santos, Ary Barroso, Milton Nascimento, Chico Buarque e Villa-Lobos.

Pelourinho – O samba, ritmo consagrado e reconhecido por falar do povo e da história da nação brasileira, dará o tom da programação especial do Pelourinho para a Festa da Independência da Bahia. Serão três dias de atrações dedicadas à festa cívica, e todas as apresentações são gratuitas. A programação é promovida e apoiada pela SecultBa, através do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI).

Na véspera, sexta-feira (1º), já acontece o aquecimento para a espera do caboclo. A festa será no Largo Quincas Berro D'Água, a partir das 20h30, com os show do grupo Samba Maria, seguido pela cantora Claudete Macêdo, às 22h30.

Sábado, 2 de Julho, a festa cívica movimenta diversos pontos da cidade pela manhã, incluindo o Largo do Pelourinho, onde a chegada do cortejo será saudada por clarins das janelas da sede do CCPI. Pela tarde, o samba volta a ferver por todos os lados. No Largo Pedro Archanjo, às 14h, os grupos Aro 7, Samba de Verdade e Caribé & Camaradas se unem para uma celebração regada a muito ritmo e alegria.

No Largo Quincas Berro D'Água, o Amoroso Samba abre a comemoração com um repertório de grandes sambistas, às 14h30. Após o grupo, às 17h30, sobe ao palco o bamba Walmir Lima, considerado um dos grandes nomes do samba na Bahia. Na sequência, às 20h, acontece o show do grupo Sangue Brasileiro.

A festa também começa cedo no Largo Tereza Batista, com a apresentação da cantora Rose Belo, às 14h. E para quem já está com saudades do São João, a festa no largo ainda abre espaço para o forró de Val Macambira, que apresenta o projeto Forró Forrado, a partir das 16h30, com as participações de Forró King, Del Feliz, Márcia Porto, Juan e Ravena, Dino Gama, Odete, Xote de Anjo, e Rosa Bahiana.

O terceiro dia de programação será na terça-feira (5), quando acontece a tradicional Volta da Cabocla. Durante a noite, a partir das 20h30, acontecem os shows da sambista Claudya Costta, no Largo Tereza Batista, e do grupo Academia do Samba, no Largo Quincas Berro D'Água.

Atrações:

Sociedade Filarmônica Terpsícore Popular - Com 136 anos de tradições, possui um corpo musical composto por 42 músicos todos provenientes de sua escolinha de música. A Terpsícore é Tri Campeã do Estado da Bahia e Tetra Campeã do Festival de Filarmônica do Recôncavo Baiano realizado na cidade de São Félix-BA.

Filarmônica 5 de Março - A Associação Educacional e Musical 5 de Março, foi fundada na cidade de Muritiba em 05 de março de 1897 e é considerada utilidade pública municipal e estadual por manter uma escola de música com ensino gratuito e uma banda formada por jovens muritibanos. Seu primeiro regente e maestro foi o músico João Borges dos Santos.

Sociedade Filarmônica União Sanfelixta - Instituição filantrópica oriunda de São Felix, fundada em 7 de setembro de 1916. Tem como principal objetivo cultivar e desenvolver a arte lítero-musical na comunidade. A União Sanfelixta mantém uma escola de iniciação musical, onde crianças e jovens da comunidade adquirem conhecimentos artísticos musicais.

Sociedade Filarmônica Amantes da Lyra - Fundada em 1977, Amantes da Lyra é uma Organização composta por associações cívicas e sociais do estado da Bahia. Localizada em Santo Antônio de Jesus, sempre teve uma atuação marcante nos principais eventos e solenidades realizados na cidade e região.

Sociedade Filarmônica Filhos de Apolo - Com um nome que homenageia o Deus grego Apolo, Deus do sol e considerado Deus da música, da poesia e divino padroeiro das artes, Filhos de Apolo substituiu as primeiras filarmônicas da cidade de Santo Amaro. Sua fundação é datada de 05 de setembro de 1897, que imediatamente já contava com vários adeptos.

Filarmônica Lyra Santamarense - Considerada um importante patrimônio cultural da Bahia, a a filarmônica foi fundada em 20 de abril de 1936, em Vera Cruz no distrito de Jiribatuba. Possui um corpo musical formado por 50 músicos e mantém um escolinha de música com ensino gratuito para cerca de 80 alunos.
Filarmônica Ramos da Oliveira - “Porque Juntos Somos Mais Fortes”, esse é o lema utilizado pela filarmônica localizada em Santo Amaro que tem apenas quatro anos de existência. Com 22 componentes, já participou de vários encontros em outros municípios vizinhos. Oferecem aulas de música para crianças e adolescentes além de, oficinas de teatro e flauta doce.

Rancho do Papagaio - Manifestação popular de Saubara, Rancho do Papagaio é uma roda de samba que uma pessoa na roda representa um papagaio e um caçador ver e quer matá-lo. A população acusa o caçador e o papagaio cai no chão, que é convidado a se levantar e entrar novamente na roda, assim começando um samba de retirada do papagaio.

Samba de Vovô Pedro - Fundado em 28 de setembro de 2011 em Saubara, o grupo surgiu a partir de uma brincadeira em família e é formado por sambadores antigos da região. Com 28 componentes, o Samba de Vovô Pedro acrescenta mais dinamismo no cenário musical do Recôncavo tocando samba chula e samba corrido.

Chegança de Mouros Barca Nova - A chegança ou marujada é a encenação, cantada em verso e prosa, de uma luta dentro de uma embarcação. Manifestação popular com mais de cem anos de existência, a Chegança de Mouros Barca Nova narra, com música, falas, dança e teatro, a
história da luta nesta chegança entre mouros (os turcos) e marujos portugueses.

Mais informações sobre a programação completa do cortejo podem ser obtidas no site da Funceb através do endereço www.funceb.ba.gov.br e no site do CCPI por meio do site www.centrodeculturas.ba.gov.br.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.