Notícias

09/03/2018 14:30

#MêsDoTeatro - Questões da mulher negra são mostradas no monólogo "Isto não é uma mulata"

Isto não é uma mulata

A representação da mulher negra, a sensualidade da passista carnavalesca, o corpo feminino exuberante e os clichês que cercam as mulheres são alguns dos temas discutidos na sociedade atualmente. E é a partir de dessas e outras temáticas que cercam o dia a dia das mulheres que foi concebida a peça “Isto não é uma mulata”, de criação, direção e atuação da atriz e jornalista Mônica Santana.

Vencedora do Prêmio Braskem de Teatro Revelação em 2016, a montagem foi selecionada para o Kit de Difusão do Teatro da Bahia 2018. Em virtude das comemorações do Dia Mundial do Teatro, celebrado em 27 de março, a Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb/SecultBa) homenageia as produções baianas através do projeto que contemplou 30 espetáculos de temas e formatos diversos. A ideia é estimular a difusão e a visibilidade da produção teatral da Bahia.

isto não é uma mulataComo artista independente, Mônica ressalta a importância em participar do Kit, ela afirma que: "é um canal importante e fundamental para que o trabalho amplie seu alcance e acesso a projetos e festivais. Sou independente, e não tenho o amparo de uma produção permanente, assim os alcances são mais reduzidos e as oportunidades, por vezes restritas. E no que tange ao teatro baiano, temos uma produção tão grande que precisa ser reconhecida para além da capital baiana. Nesse contexto de crise, todo amparo e auxílio é muitíssimo bem vindo para ampliar a escuta", declara Mônica.

Com cenário simples e apenas a protagonista no palco, a história, que começa delicada e comum, perpassa ligeiramente para o complexo da mulher e do ser humano. Também entram em cena referências da cultura pop e da música, criando novos recursos para um exercício de teatro político, onde o movimento, a dança e a ironia são explorados.

"Acredito que o uso da ironia para falar de um tema árido e doloroso seja um recurso importante para tornar mais acessível a discussão sobre os temas que o espetáculo aborda. Não se trata de um espetáculo que visa um proselitismo ou convencimento didático, mas apontar pontos nevrálgicos da discussão sobre o racismo no Brasil." explica a atriz e jornalista.

O Kit integra o Programa de Difusão das Artes Cênicas do Estado e promove diretamente a difusão, circulação e memória do Teatro da Bahia, além de estimular a criação, produção e pesquisa, por meio dos intercâmbios de conhecimentos e experiências. Os premiados irão adquirir uma versão digital trilíngue (português, inglês e espanhol) contendo informações, ficha técnica e fotos dos espetáculos selecionados. A versão digital será disponibilizada no site da Funceb e entregue num pendrive contendo ainda os vídeos dos espetáculos selecionados.


Foto 1 - Pedro Portugal
Foto 2 - Andréa Magnoni
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.