Notícias

26/04/2019 09:00

#GrafiasEletrônicas - Voz para a diversidade, Valdeck Almeida e Poeta com P de Preto integram o projeto nesta segunda edição

cEnquanto ainda não acontecem as gravações da segunda edição do Grafias Eletrônicas, realizado pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) em parceria com o Instituto de Radiodifusão da Bahia (Irdeb) , conheçam dois dos 20 selecionados deste edital.

O jornalista e poeta soteropolitano Valdeck Almeida de Jesus já publicou mais de 20 livros e foi co-autor de 150 antologias, com textos publicados em inglês, português, italiano, alemão, holandês, francês e espanhol. Além disso, o poeta é membro-fundador da União Baiana de Escritores (UBESC) e é um frequentador assíduo de saraus e associações de artistas da palavra.

Para Valdeck, a parceria do Iderb com a Funceb põe em alto nível a produção literária baiana. “O Grafias Eletrônicas me encanta pelo alcance, diversidade de atores/linguagens e meios através dos quais a arte da palavra flui”, descreve.



Valdeck Almeida foi selecionado com "Vendo" (Foto: Carlos Souza)

Com o texto “Vendo”, Valdeck aborda os significados e uso das palavras. Os verbos “ver” e “vender” se confundem no dito popular, por isso o poeta chama a atenção para um ouvido mais cuidadoso a fim de evitar uma má interpretação. “A arte da palavra me permite um olhar crítico, exercício da sensibilidade, empatia, conhecer as realidades de outros (as) artistas e pessoas em geral”, afirma. 


cRilton Santos de Santana Junior, de Salvador, começou sua vida como ator em 2011, mas desde 2014 trabalha com poesia. O poeta assume a identidade de Poeta com P de Preto para publicações independentes como “A Poesia é o Meu Trabalho”, composta por 10 poemas, 3 fanzines e um CD com 16 faixas. Também promove o “AfroCine”, que propõe através de filmes a fuga da realidade violenta que acontece nos bairros.

Com o texto “Te Incomoda Ver”, Rilton faz uma crítica à estrutura excludente e racista que marca a juventude negra, e busca uma auto valorização dos comportamentos e símbolos das periferias de Salvador.  “É uma perspectiva de mudança para a Juventude Negra através da arte, da cultura e da literatura, busca resgatar valores ancestrais perdidos e também sensibilizar a linguagem periférica”, conta o poeta.
Rilton Santos escreveu "Te Incomoda Ver" (Foto: Adeloya Magnoni)

Para o artista da palavra, sua participação no projeto Grafias Eletrônicas possibilita uma mudança no olhar para a juventude. “Possibilitará não só a difusão e veiculação da minha arte, mas, também a propagação de uma perspectiva cultural, artística e pedagógica surgindo da juventude periférica de Salvador”, expõe.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.