Notícias

30/09/2019 10:20

Está no ar o Kit Difusão de Teatro da Bahia 2018; lançamento ocorreu na programação do FILTE - Bahia

kit

A Fundação Cultural do Estado da Bahia lançou mais uma publicação. Trata-se do Kit Difusão do Teatro da Bahia 2018, que selecionou 30 espetáculos apresentados entre 2014 e 2017, para a publicação trilíngue (português, inglês e espanhol), composta de sinopse, informações técnicas, contatos e imagens dos espetáculos.

O lançamento aconteceu no sábado (28) no Teatro Castro Alves, dentro da programação do Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia (FILTE), com a participação da coordenadora de Teatro na Funceb, Gabriela Sanddyego, a diretora das Artes, Lia Silveira e a diretora geral da Fundação, Renata dias, bem como de programadores de Festivais cênicos latinoamericanos. Estavam presentes a Virgínia FDEL, do Festival Patagonia (Argentina), William Cristofaro, do Festival Internacional de Montevidéu (Uruguai) e Carolina Torrealba, do Festival Santiago OFF (Chile), além do diretor do FILTE, Luis Alonso-Aude.

Thom Galiano

O Kit está numa versão digital, disponível no site da Funceb, neste link. Tanto os artistas selecionados, como os programadores, receberam um pen drive contendo a publicação e vídeos dos espetáculos. “Este Kit é uma forma de pensarmos como podemos formar outras redes em termo de política pública - dada nossa limitada capacidade de fomento direto. São espetáculos que pautam o outro que está desconfortável no mundo sob diversas perspectivas, como a infância, a mulher. Tudo que há de incômodo, está espelhada nesse Kit Difusão, nos refletindo enquanto povo. Ele ilustra muito essa nossa capacidade de demonstrar nossa diversidade”, pontuou a diretora geral, Renata Dias.

KitPitching – Teatro baiano no mundo

Aproveitando a presença de programadores latinoamericanos em Salvador, por ocasião do FILTE, o sábado também foi um momento especial para alguns dos artistas que integram o Kit Difusão, que puderam apresentar seus espetáculos para os programadores. Como fez Thom Galiano, diretor de “Amaranta, a atriz que vai e vem”, espetáculo que conta a história de uma atriz que atravessa gerações e acompanha as mudanças numa arte com mais de 2.500 anos e ao mesmo tempo uma arte tão efêmera.

A personagem reinventa momentos históricos e brinca com situações inerentes a sua função. “Foi a primeira vez que participei de um Pitching como este. Foi bem bacana a experiência, é importante que se aproxime mais o interior da Bahia de ações como esta, pois o Teatro não acontece somente em Salvador, temos muitos municípios produzindo. Então, de repente, seria até interessante se pensar em rodadas como esta no interior do estado também, um revezamento entre os territórios. Tenho 37 anos, mais de 20 no Teatro e esta foi a primeira vez que participei de algo assim, então, é muito importante a iniciativa”, salienta Thom.

Para Manoel Castillo, a iniciativa é uma ponte. “Tomar contato com este Kit abre uma conexão entre Salvador e a América Latina, somos operadores culturais com a oportunidade de ter um contato mais próximo com o artista baiano e suas produções por meio desta ferramenta da Fundação, uma ponte importante para a cultura baiana”, pontuou.

“É muito importante poder juntar os diferentes países do Mercosul como o Brasil, Chile, Uruguai, Argentina em torno da arte; é romper os limites, apresentar nossa resistência, dar um passo fundamental para o crescimento dos Festivais e dos artistas baianos”, diz Carolina Torrealba do Festival Santiago OFF (Chile).

kit

Durante as apresentações, que duraram cinco minutos para cada artista, os programadores puderam conhecer de perto a ideia motivadora de cada espetáculo, suas logísticas operacionais e como os artistas se colocam diante do público; puderam fazer perguntas e trocar contatos para possíveis parcerias. “Não existe essa tradição de rodada de negócios para as áreas artísticas. Estamos provocando esse pensamento no setor, para que os artistas pensem em fazer essas negociações. Nós planejamos esse momento para materializar essa formação de redes, e começar isso numa perspectiva latinoamericana é muito importante por nossas similaridades políticas, sociais; isso nos dá uma base muito importante para pensarmos nossa latinidade”, frisou Renata Dias.

Acesse aqui o Kit!

Fotos Jamile Menezes

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.