Notícias

10/10/2019 17:00

#PrêmioPierreVerger - Fotógrafos e júri se reuniram no Palacete das Artes em roda de conversa sobre a exposição coletiva

d
Foto: Marcelo Reis

Ainda em celebração a abertura da exposição coletiva do Prêmio Nacional de Fotografia Pierre Verger, realizado pela Fundação Cultural do Estado da Bahia, no Palacete das Artes, aconteceu na noite de terça-feira (9) a Roda de Conversa Narrativas Polifônicas. Reunindo fotógrafos selecionados e o júri do prêmio, o público pôde conhecer um pouco sobre as obras expostas sob a curadoria de Thaís Darzé.     

Entre os selecionados estiveram presentes Marcelo Masegão (SP), Márcio Vasconcelos (MA), Vanessa Poitena (SP) e os baianos Max Fonseca e Eriel Araújo. Vencedor da categoria de “Trabalhos de Inovação e Experimentação”, Eriel contou sobre o processo de compor a obra “Civilidade” dentro do Prêmio Pierre Verger. “O prêmio me possibilitou realizar um trabalho longo e que ainda está em desenvolvimento dentro dessa bela estrutura”, pontuou o artista.

Max Fonseca, jovem fotógrafo baiano, retratou a estética do “Paloso”, expressão adotada por jovens negros periféricos manifesta em roupas, acessórios e atitudes. “Esta galeria é um espaço de legitimação da arte e ter minhas imagens, que representa esta estética marginalizada, é colocá-la também numa nova perspectiva”, salientou o artista.

Com obra experimental, a paulista Vanessa Poitena contou sobre o processo de composição de “Paisagens de Arrasto”. Tomando como instrumento o dispositivo da câmera panorâmica do smartphone, a artista performa dentro de um automóvel realizando movimentações a fim de captar imagens da natureza. “Fiquei impactada ao ver a exposição pelo diálogo entre as obras e a relação delas independentemente das categorias”, contou Vanessa.

Escolhas do Júri

Paulo Coqueiro, que também integrou a comissão de seleção ao lado de Alexandre Sequeira (PA), Nair Benedicto (SP), Cristina Damasceno (BA), e presidida por Célia Aguiar, lembrou os três anos das Cartas das Laranjeiras, ação de 100 fotógrafos e artistas visuais que levaram imagens às ruas do Pelourinho em reivindicação por políticas culturais  do estado da Bahia reiterando a importância do Prêmio Nacional de Fotografia Pierre Verger ser mantido pela Funceb.  

“Tudo isso reforça para nós do júri a responsabilidade que tivemos em selecionar. É  delicada e pontual a situação em que precisamos dar voz e deixar o outro em silêncio. O nosso desejo era de ter mais trabalhos aqui, mas entendemos que estes são o que melhor representa este momento”, completou Coqueiro.

Considerada pelo júri como uma exposição inclusiva, escolher as obras não foi uma atividade fácil, entretanto, as obras representam a força e a beleza brasileira. “Num só momento eu pude ter uma visão global dos conteúdos que mais urdem no Brasil”, ressaltou Cristina Damasceno. “Não foi fácil selecionar, mas a felicidade que tenho deste processo é que são temáticas e colocações dos artistas que eu me orgulho de assinar embaixo”, afirmou.


Serviço:
Exposição Coletiva do Prêmio Pierre Verger -  Narrativas Polifônicas
Visitação à exposição: 9 de outubro a 24 de novembro, de terça a sexta-feira (13h às 19h), sábado e domingo (14h às 18h), na Sala Mário Cravo Junior
Visitação guiada à exposição: 9 e 23 de outubro, às 15h
Local: Palacete das Artes (R. da Graça, 284 - Graça)
Atividades gratuitas e abertas ao público  
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.